O governo do Brasil utilizou banco da Rússia para efetuar pagamentos à ditadura da Venezuela pela energia usada em Roraima.

O governo do ex-presidente Michel Temer utilizou um banco da Rússia para pagar a ditadura de Nicolás Maduro pela energia utilizada em Roraima, estado dependente da eletricidade do país vizinho desde 2001.

A medida foi uma uma triangulação financeira adotada pela Eletronorte para retomar os pagamentos à estatal venezuelana Corpoelec e impedir que o abastecimento elétrico de Roraima, único estado não conectado ao SIN (Sistema Interligado Nacional), seja interrompido pelo regime da Venezuela.

Os pagamentos estavam bloqueados em razão de sanções aplicadas pelos Estados Unidos, que dificultam operações bancárias com o objetivo de atingir financeiramente o regime chavista.

A dívida acumulada pela Eletronorte pelo fornecimento de eletricidade a Roraima chegou a US$ 40 milhões.

Um documento que circula na equipe econômica, obtido por reportagem da Gazeta do Povo, revela que o Brasil lançou mão da rota financeira alternativa, fazendo as remessas passarem por uma instituição financeira da Rússia, uma das potências que mantém apoio a Maduro.

Não há informações se os depósitos foram mantidos nos meses subsequentes após a posse do presidente Jair Bolsonaro.

Fonte: Rede Canal

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here