Elmar Nascimento argumenta que, para construir base, presidente precisa fazer gestos de deferência à parlamentares

Por
Reuters

access_time

14 mar 2019, 17h24 – Publicado em 14 mar 2019, 17h07

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) precisa se descolar da retórica de campanha e investir em sua articulação política, o que envolve definir interlocutores com autonomia, conversar com dirigentes partidários e oferecer prestígio aos parlamentares para aprovar a reforma da Previdência, avaliou o líder do DEM, Elmar Nascimento (BA), nesta quinta-feira, 14.

O líder explica que há uma percepção, entre parlamentares, da necessidade da aprovação da reforma, mas eles também querem ser levados em conta quando os resultados da eventual aprovação da proposta começarem a ser colhidos. Segundo ele, a falta de articulação pode ter impactos não na aprovação da reforma, mas no seu timing de votação.

“O presidente não pode ficar preso à retórica de campanha, não pode cair na armadilha de ficar preso no discurso de campanha”, disse o líder do DEM. “É isso que ele tem que enxergar. Dar um passo para trás para andar para frente”, afirmou, acrescentando que na capoeira, muito presente na cultura baiana, “recuar também é golpe”.

Não se trata, explica Nascimento, de aderir a práticas condenáveis da “velha política”, mas é necessário organizar uma base de apoio para aprovar a reforma da Previdência. Um dos primeiros passos para articular os aliados seria, na opinião do líder, que as negociações do governo levem em conta as demandas dos parlamentares.

Segundo ele, não se trata de fisiologismo, o que em muitos casos chega a ofender parlamentares. Trata-se de gestos de aproximação e de prestígio. “Não adianta você dar comida a quem quer bebida. Não adianta você dar comida a quem quer carinho”, explicou. “O problema é atenção. As pessoas querem carinho, principalmente os que o ajudaram (na eleição à Presidência da República)”.

Também é preciso, na avaliação do líder do DEM, conversar com lideranças e dirigentes partidários. São os partidos, argumenta, que em última análise detém os mandatos dos parlamentares.

O tema foi tratado em reunião entre Bolsonaro e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), no último sábado. Segundo relatos, o presidente teria entendido a importância do gesto, mas isso ainda não foi traduzido em atitudes no decorrer da semana. “A ideia é trazer a institucionalidade para a relação.”

Paralelamente a isso, Nascimento considera importante que sejam definidos os interlocutores com liberdade de articular e firmar acordos que possam ser cumpridos. Esse seria um dos papéis, por exemplo, do ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. Mas falta a ele a autonomia e o poder para falar pelo governo nessas conversas.

Fonte: Rede Canal

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here