Depois de dizer que colega Kean tinha “50% de culpa” pelas ofensas que recebeu, capitão da Juventus afirmou que condena todas as formas de preconceito

Por
Da redação

access_time

4 abr 2019, 12h22 – Publicado em 4 abr 2019, 11h56

O atacante Moise Kean, de 19 anos, foi vítima de racismo na última terça-feira, 2. Ao marcar um gol na vitória por 2 a 0 da Juventus sobre o Cagliari, fora de casa, pela 30ª rodada, o jogador italiano filho de pais da Costa do Marfim, foi ofendido por torcedores do time adversário na comemoração. O caso ganhou ainda mais repercussão depois que o experiente zagueiro Leonardo, seu colega na Juventus e na seleção italiana, Bonucci disse que Kean teve “50% de culpa” pelo ocorrido, por ter encarado a torcida adversária ao marcar o gol. 

A atitude de Bonucci foi criticada por diversos jogadores ao redor da Europa. Um dos primeiros a se manifestarem foi Mario Balotelli, jogador da seleção italiana e atualmente jogando no futebol francês. “Diga a Bonucci que a sorte dele é que eu não estava lá. Em vez de te defender ele faz isso? Estou chocado, juro. Te quero bem, irmão”, comentou o jogador na postagem no Instagram de Kean.

(Reprodução/Instagram)

(Reprodução/Instagram)

Outros jogadores negros também criticaram a atitude do zagueiro italiano. Kevin-Prince Boateng, atualmente no Barcelona, postou três emojis pedindo silêncio com a hashtag #Bonucci, e 50-50, em referência ao que foi dito pelo zagueiro.

Sterling, atacante do Manchester City, postou emojis de sorrisos e com a frase dita por Bonucci. “Tudo que se pode fazer nesse momento é rir”, ironizou Sterling.

Já o holandês Memphis Depay, atacante do Manchester United, lamentou a atitude do zagueiro, que também é capitão do clube, e mostrou seu apoio a Kean. “Estou desapontado com a sua reação, como capitão da Juventus. O garoto pode comemorar como quiser. Ele é fundamental para a equipe e joga com muito orgulho pelo seu país, a Itália. Ele deve ser respeitado por isso. Não vamos ficar quietos, afirmou.

Yaya Touré, ex-jogador da Costa do Marfim, com passagens por Barcelona e futebol inglês, foi ainda mais crítico à postura de Bonucci. “Para mim sua atitude foi uma desgraça. Isso não pode ser feito”, disse o ex-volante. “É inaceitável, acho que é o pior cenário que pode acontecer no futebol. Um companheiro de time te atacando, dizendo coisas como essas. Não posso imaginar o quanto Kean ficou sentido quando viu aquilo”, disse Touré em conferência da UEFA.

O aposentado Lilian Thuram, ex-jogador da Juventus e campeão mundial com a França em 1998, é um ativista do combate ao racismo e criticou a atitude de Bonucci, mas também do árbitro da partida. “Isso é interessante. Ele basicamente disse o que muitas pessoas pensam, que as pessoas negras merecem o que acontece a elas. Isso evoca uma responsabilidade compartilhada em 50% entre torcedores e Kean. Quando você pensa a respeito, o próprio companheiro de time de Kean diz que ele merece os gritos de macaco e aos torcedores que eles podem continuar”, disse Thuram, no Líbano. “O árbitro parou o jogo? Alguma coisa foi feita? Estamos todos em completa hipocrisia. Isso tem acontecido há anos. Todo mundo diz que nós iremos parar o jogo na próxima vez e isso não acontece. As autoridades do futebol não se importam”, disse o francês, que tem uma fundação que luta pela educação contra o racismo.

Veja a tabela e classificação do Campeonato Italiano

Após as críticas, Bonucci se defendeu e publicou uma mensagem em suas redes sociais, para explicar sua postura. “Depois de 24 horas, quero esclarecer o que eu disse. Eu falei aquilo no final do jogo e fui, obviamente, mal interpretado sobre o assunto ao responder e forma apressada. Horas e anos seriam insuficientes para falar sobre o assunto. Eu condeno todas as formas de racismo e discriminação. Certas atitudes são sempre injustificáveis e não pode haver mal-entendido sobre isso”, afirmou, na legenda de uma foto em que aparece com Kean na seleção italiana. 

Biorou Kean, pai do jogador Moise, também teceu críticas ao zagueiro e capitão da Juventus, em entrevista ao jornal Gazzetta Dello Sport. “Na África, quando se abre os braços como ele fez na comemoração, é uma forma de se expressar dizendo ‘O que eu fiz?’ Ele não queria provocar, é um menino educado, gosta de dançar e brincar com as pessoas”, defendeu o pai. “O que Bonucci disse foi estúpido. Não gostei do que aconteceu. Disse para Moise ficar calmo, porque isso também faz parte do caminho de um campeão”, completou o pai, que ainda desculpou a torcida do Cagliari pelo ocorrido. “O estádio não deve ser fechado. Eu digo que os perdoamos”, encerrou.



Fonte: Rede Canal

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here