Depois de novas demissões no MEC

Por
Da Redação

access_time

4 abr 2019, 13h30 – Publicado em 4 abr 2019, 13h29

O ministro da Educação, Ricardo Vélez, voltou a ficar por um triz no cargo.

E a principal evidência é a queda do assessor especial do ministro, Bruno Garschagen, e a chefe de gabinete, Josie de Jesus.

Membros do governo, sobretudo os militares e Jair Bolsonaro, demonstram ter esgotado a paciência com o ministro.

Dessa vez, a pressão é causada pela fala em que o ministro defende uma revisão nos livros didáticos sobre o a ditadura militar. Vélez defende uma visão positiva do golpe de 1964.

Vélez já havia enfrentado crise semelhante há uma semana, quando .14 dos seus indicados foram demitidos.

E assim, o MEC fica paralisado novamente.



Fonte: Rede Canal

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here