Em entrevista a VEJA, Francisco Noveletto revelou que a entidade não vai tomar nenhuma atitude em relação à polêmica com o camisa 10 da seleção

access_time

4 jun 2019, 22h13

Um dos oito vice-presidentes da CBF, o presidente da Federação Gaúcha de Futebol, Francisco Noveletto, declarou nesta terça-feira, 4, que o atacante Neymar, acusado de estupro por uma mulher, deve pedir licença da seleção brasileira e não jogar a Copa América no Brasil. A afirmação foi divulgada por um telejornal local do SBT no Rio Grande do Sul. Em entrevista a VEJA, o dirigente confirmou que se fosse o atacante, pediria dispensa do elenco para cuidar dos problemas pessoais. O cartola fez questão de afirmar que só está defendendo os interesses da CBF.

“Seria melhor para ele pedir licença da seleção. Se fosse eu pediria”, desabafou na conversa por telefone com a reportagem. “Se alguém que tivesse que decidir isso, teria que ser ele, não a CBF. Ele tem que saber se tem condições psicológicas ou não. Ele não é um freezer, uma geladeira. É um guri de 27 anos, com o mundo todo caindo em cima dele. Então por isso que eu falei. Defendi a CBF”, completou.

Noveletto está no Brasil e ainda não conversou sobre o tema com Rogério Caboclo, o presidente da entidade, que está num Congresso da Fifa em Paris. Mesmo assim, garantiu que a Confederação não vai cortar Neymar da Copa América. A decisão teria que partir do próprio jogador. “Quer que a CBF julgue o garoto? Não tem como desconvocar”, exclamou.

Na opinião dele, isso não vai acontecer. “O menino é capaz de pensar ‘se eu pedir uma licença, vão dizer que estou assumindo’. É complicado. Estupro é algo muito forte. Vamos nos por no lugar dele para ver”.

“Todas as emissoras estão falando sobre um novo vídeo”

Em um dos pontos mais surpreendentes da entrevista ao SBT, Noveletto disse ainda ter ouvido que “tem muito mais coisas pra aparecer ainda” no caso, referindo-se a um vídeo, e que o jogador do Paris Saint-Germain “não tem condições psicológicas” para jogar o torneio e “enfrentar” a imprensa.

“Se o Neymar vier é capaz de o Brasil não chegar, eu conheço a imprensa, a imprensa vai ficar pegando… E tem muito mais coisas pra aparecer ainda, eu tenho um amigo meu do Rio… que tem mais um vídeo pra ser jogado na rua, então veja bem, se eu sou o Neymar… Se tivesse que apostar, eu tenho dez fichas, só tem dez e não pode perder, e você me perguntar ‘tu aposta que o Neymar vem ou ele vai pedir licença?’ Eu diria o seguinte: aposto que ele não virá e que ele pedirá licença”, declarou Francisco Noveletto.

A VEJA, o cartola afirmou que foi nas matérias divulgadas na imprensa que viu a informação sobre o novo vídeo, e não que esse amigo do Rio de Janeiro teria acesso a imagens que ainda não foram exibidas ao público. Na opinião de Noveletto, a frase ficou com um sentido duplo, o que deu a impressão de que ele tinha informações novas sobre o caso.

“Eu apenas defendi os interesses da CBF. O repórter queria que eu dissesse que deveria cortar o atleta. Foi um comentário de uma reportagem que vi no SBT. Eu já vi na imprensa 50 vezes. Meu amigo do Rio também comentou. Aí eu disse para o repórter”, explicou a VEJA.

Fonte: Rede Canal

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here