Jornalista do The Intercept Brasil fala em audiência na CCJ sobre os diálogos vazados entre o ministro da Justiça e Deltan Dallagnol

Por Da redação

access_time

11 jul 2019, 13h23 – Publicado em 11 jul 2019, 12h21

O jornalista e editor do site The Intercept Brasil Glenn Greenwald acusou nesta quinta-feira o ministro Sergio Moro (Justiça) de querer criar um “clima de ameaça” a ele e à “imprensa livre” ao não confirmar nem desmentir o rumor de que a Polícia Federal o estaria investigando. “O clima que o ministro da Justiça está tentando criar é de ameaça à imprensa livre. Ele está tentando fazer isso de propósito, para assustar a gente, para evitar que a gente faça jornalismo”, disse o editor em audiência no Senado.

Greenwald tem coordenado a publicação de uma série de mensagens atribuídas ao chefe da força-tarefa da Lava Jato, procurador Deltan Dallagnol, e ao ex-juiz Sergio Moro. Em reportagem da última edição de VEJA, feita em parceria com o The Intercept Brasil, foram revelados diálogos inéditos que mostram que o atual ministro comportou-se como chefe do Ministério Público Federal ao pedir a inclusão de provas em processos que ele julgaria depois e ao mandar acelerar ou retardar operações da Lava Jato.

Greenwald iniciou a sua fala lembrando do caso de Edward Snowden, ex-analista da Agência de Segurança Nacional dos EUA (NSA) no qual revelou informações do serviço secreto dos governos americano e britânico em 2014. Segundo ele, as autoridades ficaram “indignadas” com as reportagens que se baseavam em “material roubado” e vazado por Snowden, mas nem por isso elas cogitaram investigá-lo pelas revelações.

“É impensável numa democracia prender ou investigar jornalista. Eu li a Constituição Brasileira muitas vezes e sei que ela protege o que estamos fazendo. E eu acredito muito nas instituições brasileiras, principalmente no judiciário e no STF”, acrescentou.

A audiência é realizada na Comissão de Constituição e Justiça do Senado e foi feita a convite do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), que é líder da oposição na Casa. Enquanto a sessão está cheia de parlamentares contrários ao governo, poucos senadores governistas compareceram. Um deles, o senador Marcos do Val (Cidadania-ES), perguntou a Glenn por que ele não entregava as conversas do Telegram às autoridades para que pudessem verificar a sua veracidade, uma vez que Moro e Dallagnol passaram a dizer que não reconhecem a sua autenticidade.

Greenwald respondeu que não o fez nem fará porque essa prática é “típica” de tiranias e ditaduras. “Por favor, me dê um exemplo do mundo democrático em que um jornal ou uma revista entrega o seu material para a polícia ou a justiça antes de publicar”, interpelou ele.

O jornalista também fez questão de pontuar que não recebe financiamento de nenhum partido político e criticou a ausência dos senadores do PSL, que o estariam atacando nas redes sociais com fake news, segundo ele. “Eles não têm coragem de chegar na minha cara para dizer essas coisas falsas. Eu estou negando esses posts, porque são falsos, diferente do que Moro e Dallagnol fizeram. Nós assinamos todas as matérias com os nossos nomes. É muito diferente do que o partido do governo está fazendo, sempre se escondendo nas sombras”.

Clique aqui para assistir ao vivo a audiência:

 

Fonte: Rede Canal

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here